domingo, 14 de outubro de 2007

A Poesia Rufia

O Amador

Ontem fui assaltado,
Pelo Amador
E fui violado
Mas foi com amor,
Porque o amador
Não causou ardor,
Fê-lo devagar
E eu não guardo rancor
Para não me magoar
E não causar dor.

ass: Monfan

Outros

Gosto de Alface
A acompanhar tomate
Mas como com classe
Porque a minha mãe me bate

Eu gosto de Cantarolar
E cantarolo tão descaradamente
Que quando estou a nadar
Chamo-me Felisberto Contente

O João do Carmo é meu amigo
Um amigo que ninguém vê,
Mas quando está comigo
Bebe óleo vegê!

2 comentários:

tumas disse...

fodass eu vejo o joao

rconde disse...

mas és das poucas pessoas