sexta-feira, 20 de junho de 2008

Fadinho

Foi numa noite chuvosa que tu a mim me deixaste, fiquei ai tão chorosa com a carta que me mandastes. Não podia acreditar em tudo aquilo que lia, eram erros e calinadas que eu nada precebia... Lá tive de me esforçar pra tentar-te compreender-te, estavas-me a abandonar. Deus me valha, Deus me valha. E agora o que é que eu faço? o que é que vai ser de mim? Estou praqui abandonada, por ti Manel Jaquim. Fui falar com o bispo, Perguntar-lhe o que é que eu faço. O homem, surdo, deu-me um kispo e para o pescoço, um laço. Voltei para casa raivosa, parecia uma doidivanas, desatei a beber tudo e fui jantar ao Timpanas... Foi lá que escrevi este fadinho, Fado levado da breca, hoje quem o canta muito é a Olinda Marreca. Tu também podes cantar, tu e quem mais quiser, isto quantos mais melhor, Venha Venha quem vier.


Então a minha proposta era, para termos uma inspiração destas, ir jantar ao tal Timpanas. Quem alinha?